Arquivo mensal: agosto 2007


Ela chegou com um livro de Borges para a entrevista. Pensei cá com meus botões e verbalizei: é pra impressioar? Disse que não e eu acreditei. Recebi de presente este link abaixo. Quem sabe um dia leio. E nesse dia comentarei.

http://www.mibsasquerido.com.ar/Personagens01-c.htm

Anúncios

O amor é azulzinho


Quem disse que o dinheiro não compra a felicidade? Não só compra como também vende. E como vende.
Notícia distribuída pela Reuters, vinda de Washington, circulou nesta quinta-feira pela internet e nos jornais. Vi no Uol.
O Viagra não só oferece um pau duro. É também capaz de provocar o amor, aquele que mexe com sua cabeça e lhe deixa assim, aquele que é nunca contentar-se de contente.
Está cada dia mais fácil obedecer aos conselhos de Salomão, o dos Cânticos: “Comei! bebei e embriagai-vos do amor!”. Para deixar ainda mais contentes os acionistas Pfizer.
Assisti há alguns anos a uma palestra num destes congressos de comunicação, tão boa que pagou o sacrifício de ficar sentado assistindo palestra. Congressos são realizados sempre em lugares inóspitos como Porto de Galinhas, Foz do Iguaçu, Campos do Jordão. Ou em São Paulo, onde museus e a Avenida Paulista – com sua arquitetura e centros culturais – são sereia encantadora de caipiras viajantes por conta de governos e empresas. Por isso cada dia mais congressos têm mais gente inscrita e menos participantes. Mas aquela palestra valeu a pena.
A tese do professor era de que 99,99999999% por cento do que está escrito em jornal hoje em dia é proveniente de fontes profissionais de informação. Desconfio que até as cartas dos leitores. O irônico, e o que faz acordar a minha pulga atrás da orelha, é que ganho o meu pão de cada dia como integrante deste tal exército de fontes profissionais de informação, que atendem pelo nome genérico de assessoria de imprensa.
É a assessoria de imprensa que leva aos jornais, que por sua vez levam ao distinto público, as verdades produzidas pelas empresas, organizações e governos.
Não quero ser leviano, não tenho provas, mas precedentes me fazem desconfiar que esta pesquisa tenha sido também financiada pela Pfizer. Li em algum lugar que o Viagra é hoje o remédio mais vendido no mundo.
Mas assim caminha a humanidade e eu já não estou mais em idade de querer mudar o mundo mas sim de ficar alegre com a idéia de que em dias próximos além de um pau eficiente eu vou ter direito não só à poesia do sexo, como à prosa do amor, como dizem os vovôs Rita e Jabor.
Mas confesso que estou um tanto decepcionado. Lá pelo final do release, ops!, da matéria, assumem que tudo isto ainda é uma pista, a partir de efeitos semelhantes no tal do hormônio do amor dos ratos de laboratório. E descubro que não só os brutos, mas os ratos também amam.
Resumo da ópera: desconfie muito, mas muito mesmo, destas grandes descobertas reveladas por assessorias. E lembre: se acaso anoitecer, do céu perder o azul, vá na maresia buscar um cheiro de azul.

P.S.Aí você me pergunta: o que esta imagem do Katrina tem a ver com este post? Tem o mar. E a representação gráfica do que mais se aproxima dos sentimentos provocados por amor e sexo. Será que Deus anda tomando Viagra?

P.S 2. Mandei uma reclamação pelo release publicado para a ombusdman do Uol, lembrando que a Folha não é a mesma. Ganhei o múmero 011703321. Tereza avisou por mensagem automática que vai se concentrar nos casos que afetem muitos internautas do UOL. Como eu não devo ser dos muitos, vou ficar a ver navios ou alimentar a audiência do blog da Tereza que bolou uma criativa isca para audiência. Avisou que as respostas podem seguir por e-mail ou aparecer no blog ombudsmandouol.blog.uol.com.br. Passarei os próximos dias engordando sua audiência. Sabiiiiiida!

Atualizado em 29/08
Minha reclamação foi encaminhada. Viva!
Veja:
Caro Marcus,
obrigada por seu email. Como voceh, preocupo-me muito a questao informacao (principalmente na area medica) x publicidade. Vou passar para a reflexao da redacao. Vi o texto destacado eh da jornalista Maggie Fox, reconhecida no meio jornalistico como seria em relacao a esses assuntos. Ela trabalha para a agencia de noticias Reuters, que tambem tem regras rigidas. Claro que essas credenciais nao impedem que o lobby da industria farmaceutica atuem com sucesso.
Atenciosamente
Tereza Rangel
Ombudsman do UOL

Vamos ver no que isso vai dar. Será que vai dar em alguma coisa?

e-amizade e um encontro marcado

Hoje eu acordei tarde, pouco antes das 5 da manhã e me peguei pensando em Max. Agora São 5h21. Na Suécia são 9h21. Se não já chegou, Max está prestes a vir à luz, e pro colo de Maria e Stefan.
Maria é minha e-amiga imaginária/real. Todo maluco como eu e você já teve na infância um amigo imaginário. Eu tinha uma imensa árvore amiga imaginária na roça de tio de Assis. Aprendi com o personagem de Meu Pé de Laranja Lima, que tinha também uma árvore amiga imaginária no quintal da casa dele. Eu me identifiquei com o personagem e lembro que chorei sobre as páginas do livro na biblioteca do Polivalente de Castro Alves na hora da morte do Portuga, atropelado com calhambeque e tudo pelo trem. Achei uma dupla injustiça, logo eu que gostava também de trens. Estes personagens da infância marcam a nossa vida. Outro foi o Dr. Eugênio de Olhai os Lírios do Campo. Como ele, eu queria também ser médico. Ele conseguiu. Minha vontade passou.
Todas as vezes que vejo fogos no ano novo, lembro da passagem para 1900 descrita no livro. Toda vez que leio sobre bullying, lembro do coro de colegas dele gritando “Calça furada da da no Fio fó, fó, fó.
Mas voltando a Maria que, ao contrário da árvore, me manda notícias, seja através do Montanha, seja através de e-mail. E eu também dou notícias a Maria. Nossas famílias se conhecem por fotos.
(interrompi para dar lugar a Luísa no computador para copiar umas fotos de um trabalho da escola, saí para andar com Soraya, levei ambas nas escolas, e estou aqui às 8:30 tentando concluir este post num dia cheio. Vamos lá.
Gosto de capoeira. Então aproveito para convidar a todos para o lançamento do filme sobre mestre Bimba sexta na Walter (clique aqui para ver convite e trailer no site da Dimas). Juca Ferreira, o homem por trás de Gil no MinC, estará lá. Juca, que até outro dia era o Juca candidato incompetente, que ganhava nossos votos, nos encantava mas nunca ganhava uma eleição. Perdemos um parlamentar e ganhamos um quase ministro de brinco na orelha.
Será uma oportunidade para, depois do filme, irmos todos ao tabuleiro da Dinha, no Rio Vermelho, uma proposta de Paulo Galo. Estão especialmente convidados todos os blogueiros da rota de navegação deste Licuri. Para o filme e para a esticada com Paulo Galo que, ao contrário de Caymmi, transformou em retorno a saudade que ele tinha da Bahia.
São 8:50 na Bahia. 12:50 na Suécia. Será que Max já nasceu?