Arquivo mensal: dezembro 2009

Uma volta de um ano para o outro I

Começo um giro pelos blogs amigos neste último dia de 2009. Começo pelos atualizados mais recentemente.
Começo por Gerana e seu belo desejo.
Em Chorik soube do pai internado, lembrei do meu, senti como se fosse o meu…
Em Maria ergo um brinde a 2010 com um dos copos retirados do escorredor da venda. Brinde de Tubaína.
Do sertão e de Maria Sampaio vou para Maria Fabriani, lá no círculo polar ártico, onde a temperatura oscila entre -15 e -22 e o ano novo está mais próximo.
No blag, tiro os sapatos para acompanhar a viagem pra lá de existencial de Nilson, que, de quebra, me faz uma senhora  resenha do livro de Maria Sampaio.
Já descalço, embarco nos caminhos da Chapada, com Martha e Haroldo.

Aí dá quatro da tarde, hora de levar os meninos para um mergulho…

Continuarei outro dia. Outro ano.

Mas se você  quiser seguir, vá por aqui: http://marcusgusmao.blogspot.com/2009/06/lista-atualizada.html

Anúncios

Passar uma chuva em Itapuã

Atendo ao apelo da multidão de quatro ou cinco e-amigos que notaram ausência e volto para provar a necessidade de se tomar mesmo cuidado com os desejos. Eles podem se realizar. Então senta que lá vêm palavras e fotos para ilustrar a manhã de ontem, na volta para um mergulho com Luísa à mesma praia aonde havíamos ido domingo, quando pudemos caminhar de Placaford ao Farol de Itapuã. André e Maria já haviam sido devidamente despachados para Feira, onde Soraya também se encontra desde anteontem e nos espera hoje para seguirmos amanhã ao destino de sempre: a hospitalidade de seu Rubem Reis, em Iaçu.Mas voltando à chuva em Itapuã.
Passei as últimas semanas vendo o céu sem um fiapo de nuvem e elas resolveram se reunir para me saudar ontem.
Este retorno ao coco pequeno abandonado foi motivado pela  tal pinaúna, escrita com um a a mais no título do post anterior. Eu resolvi não consertar só para jogar luz sobre a elegância dos meus amigos, delicados revisores pelo método da repetição, recomendado para analfabetos, distraídos e crianças. Ou seja, eu ao cubo.
Voltei ontem à praia com a intenção de fotografar uma pinaúna viva.  Havia ficado mais curioso porque ao jogar ouriço do mar no Google descobri que até Aristóteles se encantou com o bicho e deu nome aos seus dentões, ou aparelho raspador, capaz de fazer buracos nas rochas. E que a Science divulgou anos atrás um estudo de um grupo de cientistas decifradores da sequência do genoma do bicho, que confirmou sua semelhança conosco, os metidos humanos. Ou seja, a simpatia não é vã. Trata-se de um primo ancestral . Preferiu morar perto da areia quando os nossos vovôs répteis resolveram se mudar para o sertão.O primo ancestral, ou melhor, o belo esqueleto do primo ancestral  jaz na estante ao lado da certidão fotográfica de casamento, de uma caninha portátil e de uma cabaça-boneca com o pescoço partido, como vocês podem ver numa das fotos publicadas aqui. Mas  o primo ouriço deverá ir para Americana, para a casa do outro primo Chorik, que demonstrou interesse em vê-lo de perto. Tentei o endereço para fazer surpresa mas como não consegui, apelo então aqui para o próprio japa me enviar por e-mail gusmaomarcus@gmail.com. Tem grandes chances de chegar lá farelo de cálcio, mas tentarei.Descoberta: a praia onde havíamos chegado pela areia domingo fica bem em frente à praça em homenagem a Vinícius de Moraes, onde há uma vaga na mesa do poeta para fotos de turista. Fizemos várias, mas resolvi me despedi logo antes que ele se engraçasse pro lado de Luísa. Veja por que aqui.O curioso é que eu não pisava nas areias do Farol de Itapuã havia mais de 30 anos. Soraya e Luísa simplesmente não conheciam o farol de perto. A real é que a Itapuã cantada por Caymmi e Vinícius não existe mais. O que vimos na caminhada desde Placaford no domingo foi lixo e casas com muros quase dentro da água. Mas, olhando bem, há ainda muito o que ver, como este poema abaixo, colado no muro da casa onde viveu o poeta.Com boa vontade e uma segunda-feira de praia vazia dá para ainda fazer uma foto  tipo cartão postal, num trecho que ainda se salva um pouco, próximo ao farol. Caymmi, Vinícius e a alma desta Bahia de todos os santos começam a aparecer com um olhar mais atento para o chão da praia, quando ficam mais  evidentes os sinais. A chuva caiu e passou.Antes de voltar para casa, uma parada na Picolino para uma boa notícia. Em março teremos a III Mostra de Artistas Circenses da Bahia.

Enquanto conversava com Anselmo sobre os detalhes da divulgação da mostra, Luísa esperava com a máquina na mão e tirou estas últimas três fotos. Nesta última, a bolinha artesanal de malabares, perdida  depois das apresentações do último final de semana. Aqui está o segredo do meu sumiço daqui deste coco pequeno. Minha atual viagem febril agora é o blog da Picolino e o facebook da Picolino, criado há 15 dias e  já com mais de de 1000 pessoas inscritas.

Luisa fez também foto do painel sobre Jailton, o mais famoso artista que já passou na Picolino, hoje na trupe  do Soleil. Jailton é uma espécie de símbolo da Picolino, o cara que foi mais longe, mas existem muitas histórias incríveis nestes 25 anos da escola. Elas serão relembradas em 2010.
Portanto, eis a dica. Se aqui não estiver, estarei sob a lona.