Arquivo mensal: maio 2011

Faltou um velho gordo pra rolar empatia total

Conheci o fenômeno via Chorik, o cara mais feio da cidade, segundo ele próprio. Nilson achou lindo, eu também, em meio aos comentários femininos no facebook do japa onde ele postou seu clipe solo, ao violão.

Chorik levou vantagem sobre os paranaenses da Banda mais bonita da cidade, espinafrada com alguns comentários ácidos em meio ao turbilhão de elogios. Chorik só recebeu elogios.

E eu? Gostei também da Oração, embora a empatia não tenha sido total pela falta de velho e gordo na banda. Não me senti ali, havia todos os tipos, menos eu: velho e gordo. Custava botar um velhote gordo tocando tambor?

Luísa já conhecia, achou a música bonitinha, mas exageradmente desejosa de ser Beirut, banda que ela e todos os colegas do colégio são fãs, cohece todos os clipes e teve o privilégio de ver ao vivo aqui em Salvador, todo os integrantes bêbados que nem gambá.

Dos comentários ácidos que vi os que mais gostei foram: “Malditos Los Hermanos!” e “É muita alegria pra pouca música.”

Soraya adorou a casa. Aliás, a casa e o cachorro no colo do baterista são os pontos altos do clipe. E Soraya gostou também de Chorik e só não curitu e nem postou Lindooooo! porque tem preguiça de sair da minha conta e entrar na dela para comentar.

Mas ao fim e ao cabo, novesfora a ausência do velho gordo tocando tambor, eu gostei.

E muito.

Não pela música em separado, não pela casa em separado, não pelo plano sequência em separado, não pela alegria de viver de cada um em separado.

O bom do clipe e o que deve ter motivado a quebra da barreira de um milhão de acessos em cinco dias é tudo isso junto.

Embora tenha faltado o velho gordo tocando tambor.

Anúncios