Ela gosta de frete

Sem título

Bom demais ver e participar de uma festa que dispensa o palavrão revitalizar. Mais viva do que sempre, a Festa do Rio Vermelho nos fez feliz mais uma vez, com seus tambores, sua luz, sua diversidade. É uma festa profana especialmente porque o sagrado é escancarado, esmiuçado, fotografado, sem nenhum pudor.

A filha de santo em transe é acolhida pelos seus, pelas palmas, pelos olhares e pelas fotos dos desconhecidos. Vi muitas mulheres em transe, na água, na areia, na fila dos presentes. Acho bonito, me lembra um orgasmo. E as pessoas ali, imersas na sua fé, tão nem aí pra quem assiste, tão nem aí para quem fotografa, estão inteiras e dentro de si no meio da multidão.

Tem também quem tira da fé uns trocados e arranca dos turistas uma graninha pela bênção. Tem também a cervejaria e o partido político que em nenhum pudor cravam suas bandeiras nos barcos pra tirar proveito também. Tem até evangélicos a exercer a liberdade de pentelhar a festa alheia.

E todos querem levar uma imagem. Somadas todas as fotos tiradas nos dias da festa em todo o século 20 talvez o resultado não alcance o que foi fotografado somente ontem. Com minha cyber shot de Luísa em punho também mandei ver.

E enquanto fazia umas imagens da dona da festa reproduzida às centenas nas bancas de presentes, Soraya provocou a dona de uma delas sobre meu pedido de permissão, obtida no ato: – Pode fotografar, ela gosta de frete.

 

https://www.facebook.com/gusmaomarcus/media_set?set=a.4355183794529.2148991.1135737937&type=1

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s