Como gostaria de ser fama, e como não consigo

Clímaco Dias escreveu sobre a inveja de quem lê livros à sua escolha. Invejo quem lê livros inteiros.

E não é que hoje terminei um? Do começo ao fim.

Férias favorecem o namoro dos casados e a leitura de livros inteiros.

“Histórias de cronópios e famas”, de Cortázar, deixou Nilson incutido há uns cinco anos. Trabalhávamos juntos e o cara durante dias a fio classificou todos, absolutamente todos, à volta como cronópio, fama ou esperança.

Na semana passada, Luísa veio me mostrar um texto “O jornal e suas metamorfoses” num exemplar que ela havia ganhado de presente. Sequestrei o livro.

Confesso que não entendi umas partes, são muitas referências de um mundo fantástico, mas outras são brincadeiras com palavras, diversão garantida.

O que fica de um livro? Ficam pequenos trechos.

Como esse, do final da história da tia que tinha medo de ficar de costas:
Como gostaria de ser igual a ela, e como não consigo“.

Ou esse sobre uma “secretária” no trato com as as palavras e adjetivos:

Se me vem à boca um adjetivo prescindível porque todos eles nascem fora da órbita de minha secretária -e de certa maneira de mim mesmo-, já está ela de lápis na mão agarrando-o e o matando sem lhe dar tempo de colocar-se ao restante da frase e sobreviver por descuido ou por hábito.

Ou esse sobre a abstração:

…Da mesma maneira, se gosto de uma mulher, posso abstrair-lhe a roupa mal ela entrando no meu campo de visão, e enquanto fala de como está fria a manhã eu fico longos minutos admirando-lhe o umbiguinho.  Às vezes é quase doentia essa facilidade que tenho.

Nunca serei fama nem esperança. Veja  quem é você:

Quando os famas saem em viagem, seus costumes ao pernoitarem numa cidade são os seguintes: um fama vai ao hotel e indaga cautelosamente os preços, a qualidade dos lençóis e a cor dos tapetes. O segundo se dirige à delegacia e lavra uma ata declarando os móveis e imóveis dos três, assim como o inventário do conteúdo de suas malas. O terceiro fama vai ao hospital e copia as listas dos médicos de plantão e suas especializações. […]

Quando os cronópios saem em viagem, encontram os hotéis cheios, os trens já partiram, chove a cântaros e os táxis não querem levá-los ou lhes cobram preços altíssimos. Os cronópios não desanimam porque acreditam piamente que estas coisas acontecem a todo mundo, e na hora de dormir dizem uns aos outros: ‘que bela cidade, que belíssima cidade’. E sonham a noite toda que na cidade há grandes festas e que eles foram convidados. E no dia seguinte levantam contentíssimos, e é assim que os cronópios viajam.

As esperanças, sedentárias, deixam-se viajar pelas coisas e pelos homens, e são como as estátuas, que é preciso vê-las, porque elas não vêm até nós”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s