Vistoria

28/01/2014

Meu senhorio se revelou uma pessoa chata, muito chata, desde o primeiro contato, há pouco mais de sete anos. Na época, tive ganas de virar Raskolnikof, quando ele desdenhou de nossa pressa de mudar. 

Nossa relação começou errada. Na ansiedade de alugar o apartamento, localizado perto das três escolas das crianças,  aceitamos tudo, um contrato que dizia estar o apartamento todo ok, com descrição de todos os itens no detalhe, até de um varal de alumínio.

Só que não estava. Os armários já apresentavam pó de cupim desde o começo, tudo ali era muito elegante e antigo, muito perfeito na década de 70. O tempo passou, a PDG me sacaneou e eu fui renovando o contrato sempre a favor do senhorio, não tinha argumentos, na hora h amofinava, enfim, sempre fui um péssimo negociador. O resultado é que depois deste tempo todo pagava o maior aluguel do prédio.

E agora, como entregar um armário de aglomerado destroçado, sem uma das portas, um armário do banheiro sem um vidro, um suporte de tanque de área de serviço todo despedaçado por um vazamento, um par de porta de box quebrada, piso arranhado, maçanetas soltas, portas quebradas? Enfim, tornar novo o velho só com mágica. Conseguida por Cardoso, marceneiro de Cajazeiras, sukgerido por Elias, um faz tudo especializado em pisos, indicado na lista de e-mails de novos vizinhos. Nesta lista, que além de amaldiçoarem a PDG em 9 de 10 mensagens, os moradores trocam também informações preciosas sobre prestadores de serviço.

Gastei mais no velho apartamento do que no novo, Cardoso fez mágica, recuperou os armários, trocou portas, arranjou até um velho vidro jateado, igual aos demais. Fui na Ladeira da Soledade e renovei as portas de box com se Antônio, com preço 1\3 menor do que na Barros Reis. Mas depois de todo este esforço, a tensão sobre a aceitação dos consertos permaneceu. Nem tudo ficou perfeito, uma gaveta foi esquecida e colada às pressas na véspera, por nós mesmos. 

9 horas em ponto de segunda chega ele com sua gravata, paletó maleta e contrato na mão. Começou dando parabéns por Luísa, viu o nome dela no jornal, na publicidade do Oficina. Disse que a filha também é arquiteta, em todos os encontros fala desta filha moradora da Áustria, um típico pai babão, mas nisso empatamos. Tem orgulho também do filho, que passou em primeiro lugar no concurso federal na frente de outros quatro mil candidatos. 

Entrou, começou a testar as janelas, se queixou da pintura que respingou no rodapé, fez várias perguntas, eu e Soraya, moídos pela faxina da véspera, começamos a pensar no pior.

A medida que a vistoria avançava, a interrogação aumentava. A conversa sobre filhos misturada a detalhes em falta não nos garantia se a reforma seria aprovada ou se teríamos mais uma dívida pela frente, sem falar do aluguel e condomínio do mês ainda em aberto.

Estávamos prontos para o pior. Fizemos o possível para não criar problema com o senhorio nem dor de cabeça para meu cunhado e fiador, uma pessoa correta que não merece ser importunada. Mas se aquele senhor fizesse mais exigências acionaríamos nossos advogados juniors porém competentes Dr. Victor ou Dr João, ambos de prontidão para reaver parte do prejuízo provocados em nossa vida pela  PDG.

Suspense no final, entreguei todas as chaves e esperei o pior. E aí?

– Tudo certo, cumpriram o contrato.

Alívio geral.

– E o aluguel deste mês, perguntei, na intenção de engatilhar um pedido de parcelamento.

– Vocês não me devem nada, sou um pessoa correta, e gosto de incentivar pessoas corretas como vocês.

E tirou dois cartões do bolso, onde se lê Manoel Vitorio da Silva, Advocacia e Consultaria. Se precisar de qualquer coisa, é só me procurar, considero vocês meus amigos, pessoas admiráveis e de bem.

Olhei para Soraya, quase marejamos, quase demos um beijo na careca do sujeito, quase pedimos perdão. Ele, que havia sido sacaneado pelo inquilino anterior, sempre foi inflexível conosco. Mas na última hora se revelou outro.

E se revelou outro  por ter transportado e plantado com as mãos as árvores da rua em 1972 (recentemente envenenadas), por prezar pelos jardins e pelas áreas comuns, enfim, se revelou, de verdade, uma pessoa que jamais havíamos conhecido nestes sete anos de embate. Uma pessoa muito bacana, não pelos R$1400 de presente, absolutamente não previstos no contrato nem na nossa mais otimista previsão, mas pelo gesto.

Um forte abraço Dr. Manoel Vitório. Estamos gratos, muito gratos por tudo. Até pela oportunidade de revermos nossos conceitos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: