Posts Tagged ‘André’

14

31/10/2015

Meu Deco faz 14 hoje. Maior do que eu, garoto bonito e muito na dele. Parabéns, filho!

Seu filho, 13.

31/10/2014

Sai oficialmente da infância hoje, embora há algum tempo já ostente corpo, jeito, cara de adolescente.

Seu filho detesta exposição na internet e proíbe seu pai de tirar fotos. Publicar, nem pensar. Seu filho surpreende seu pai, não sua mãe que o conhece muito mais e está sempre elogiando suas qualidades, embora jogue duríssimo com as notas da escola. Outro dia seu pai precisou usar o computador de seu filho e tomou um susto. Ali na arrumação da tela, na escolha dos programas, na forma de se relacionar com a máquina estava uma pessoa desconhecida, e muito, muito especial, como todo filho.

Seu pai não presta, é um péssimo pai. Mas ama seu filho. Sabe disso.

Se você chegou até aqui e aguentou esta confusão, explico. André quando aprendeu a falar deduziu o seguinte. Se todo mundo dizia pra ele seu pai isso sua mãe aquilo, ele começou a me chamar de seu pai e a Soraya de sua mãe.

Parabéns, meu filho.

 

 

Fim de linha para as renas

26/11/2013

Luísa permaneceu na crença por um período maior por ter sido testemunha ocular da existência de Papai Noel. Flagrou o velhinho entrando no quarto com um saco vermelho cheio de presentes, num dia em que a família toda se reuniu para celebrar o Natal.
No ano passado, André entregou a suposta identidade do barbudo para Maria. Mas parece que a menina  ainda ficou com uma ponta de dúvida.
Pelo sim ou pelo não, a dúvida está com os dias contados:
– Quero ver agora agora se Papai Noel existe. Só vou falar o meu pedido para ele.

https://www.facebook.com/gusmaomarcus/posts/10200935924457110

11 anos

31/10/2012

Era uma madrugada como a de hoje, de lua cheia e céu limpo. Atravessamos a Paralela em disparada, eu com um olho na pista outro na lua, Soraya gemendo de dor. Mal chegamos no hospital ele nasceu. Hoje taí, compridão, lindo. Parabéns Soraya. Parabéns meu filho.

 

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=3883919893226&set=a.1137311949744.2020128.1135737937&type=1

O presente de André

31/10/2011

Acordo hoje de madrugada  atropelado pelo tempo. Na minha cabeça o mundo roda como aquelas bolas cheias de pontas destes jogos de televisão. Você tem que se livrar de uma ponta, dar um salto, se livrar da outra que já vem chegando, dar outro salto. O mundo o os prazos rodam na minha cabeça como estas bolas do  programa de televisão.

Perco quase todos os prazos e fico com a impressão de que o presente é muito curto, o presente não dá pro gasto, tudo é passado não resolvido e o futuro uma bola cheia de pontas do programa de televisão. Que derrubam.

Chego à conclusão de  que o presente não existe, mas meus conhecimentos de psicologia de botequim me dizem que é da natureza dos neuróticos não reconhecer o presente. Vivem angustiados com o passado ou sobressaltados com o futuro. Fudeu.

Acordo Soraya e faço a pergunta: quanto tempo dura o presente? ela me dá uma resposta convincente, mas que não me convence.

Mais tarde, no caminho da Escola de André, já atrasado, lanço a pergunta pro menino. Menino que fez 10 anos no dia 31 de outubro. Perdi o tempo de postar seu aniversário neste coco abandonado. Posto agora, dou uma banana pro tempo e faço de conta que hoje é 31 de outubro, que hoje é sábado passado, dia em que ele ficou bem feliz ao ganhar seu cordão amarelo

Pronto, faço destes dois momentos presentes. Agora.

E ganho de André a resposta, na lata, sem pensar muito. Resposta igual à de Soraya, só que resumida em uma só palavra.

O presente é…. infinito.

 

https://www.facebook.com/gusmaomarcus/posts/144985938942426

Aprendizado prático

15/10/2010

Anteontem, André perguntou o significado da palavra sósia.
Hoje, depois de um gesto meu um tanto, digamos, escatológico, saí em minha própria defesa declarando ser Shrek o meu ídolo.

Sem tirar os olhos da TV, André emendou:  _Ídolo, não. Sósia.

Shrek

Oito anos do meu magricela

31/10/2009

DSC02022

Até os 33 eu era 100% Brás Cubas. Aí aos 34 veio Luísa e eu virei a folha.
Quando ele se anunciou, temi. Pai de homem significa ser o exemplo, forte, vencedor, bom de bola.
Quando ele era menor, era mais fácil manter a fachada. Aí ele foi crescendo, crescendo, a verdade aparecendo e hoje já anda um pouco desconfiado, às vezes até compreensivo com este arremedo de pai, que sai até bem na foto.

São oito anos desde aquela lua cheia como hoje, quando atravessei a Paralela a mais de 100 no possante Escort Hobby enquanto Soraya segurava a dor.

Nasceu rápido e, pra meu desespero, puxou muito a mim, principalmente na distração. Pelo menos é magricela.

Tem mais noção de valor que o pai, mas se satisfaz com o que está incutido no momento. Leu numa revistinha da Turma da Mônica uma história sobre o tamagotchi e, imagine só, encontramos o brinquedo no Feiraguai, a módicos R$ 4. Já tinha aceitado receber o carro de controle remoto total desejado lá pra frente, mas acabou se encantando com um encontrado também no Feiraguai, com preço um pouco mais salgado, sem garantia, mas que está funcionando que é uma beleza ali na sala pós-aniversário básico em Feira.
DSC02183

7 anos

31/10/2008

Nosso  guerreiro Jedi em dia de parabéns.

O guerreiro magricela

01/09/2008

André, de bermuda preta, no Campo Grande em 2006

 (mesma estrada, mesmo carro, mesmas pessoas com o acréscimo da sogra, viajei hoje segunda-feira desde Feira de Santana e o fim-de-semana lá me tirou o show de Tom Zé aqui, disseram que foi muito bom. Mas como dizia a Cecília, é isto ou aquilo. Lá teve aniversário da vó Conceição dos meninos, os primos, os tios, o bisavô e cachorros, muitos cachorros. E neste ritmo família, inicio aqui a republicação de três posts sobre os miúdos, redigidos em seqüência há  dois anos. Abaixo, o primeiro, numa segunda-feira, Feira de Santana, 26 de agosto de 2006)

 

Dia amanhece nesta segunda-feira, Feira de Santana-Salvador. Os cincos viajantes balançam as cabeças na cadência das ondulações e buracos da BR 324. Uns sonham acordados, outros dormem. O silêncio trafega sobre o ruído contínuo do motor. De repente, um grito:

-Atacaaaar!

Algumas ordens ininteligíveis são dadas e o guerreiro magricela vira a cabeça para o lado e continua sua batalha em silêncio.

Quem ainda estava dormindo acorda com as gargalhadas. Só não o guerreiro magricela que continua em sonho profundo. Naves? Cavaleiros? Ninjas?

Este Budegão vive a guerrear desde que nasceu. Primeiro nos seus primeiros cinco dias de apitos e picadas da UTI neonatal. Depois no semi-abandono após os quatro meses da licença maternidade com mãe e pai trabalhando o dia todo. E depois a eterna busca de espaço, sanduichado entre duas mulheres.

Vive imprensado nos seus menos de cinco anos entre a cabeça cheia de palavras e argumentos da 10 anos Lego-Lego e os olhos azuis ainda mais cintilantes na idade engraçada da Pachuluca de ano e meio.

E o guerreiro navega em busca de atenção. Sofre porque não deu a sorte de herdar a memória da mãe. Herdou a vaga lembrança do pai. E como o pai busca em frases recuperar as palavras esquecidas ou ainda não aprendidas. Esmalte vira aquela tinta que pinta unha de menina.

Como o pai, das músicas só sabe o refrão.
Viajo segunda-feira, Feira de Santana, viajo segunda-feira, Feira de Santana, repete ao infinito, repetindo o pai que também avança muito pouco no refrão da canção de Tom Zé.

Do pai quer herdar a barriga. A mãe não cansa de elogiar os seus olhos amendoados cor de mel, sua cabeça de muitas fantasias. Já domina os plurais mas ainda se aperta nas pronúncias: álgum de sigurinha, caneta de hidropon. Uma coisa grande vira digantesca. Sabe tudo sobre seus super-heróis e como eles quase não anda, vive pela casa aos saltos.

Quando tinha três anos, Lego-lego quis saber o seu signo:
– Sou Libra e você?
– Sou Homem-Aranha, respondeu com convicção.
Foi por esta época que a mãe um dia explodiu e clamou aos céus:
– Eu não aguento mais. Minha vida é cuidar de menino.

Budegão, que até então estava invisível na cena, murmurou em protesto:
– E de menina também!

(Sobre os comentários de então: mudei de idéia sobre a inveja e ainda devo o livro a Nilson)

Dragão

31/10/2007

dragao1.jpg

André, que se chama Dragão, cumpre seis voltas hoje. Parabéns meu filho!

Parabéns, Lívia!

28/02/2007
Lívia e André, em traje de gala, inauguram o Licuri em Família. A foto é de janeiro do ano passado, no casamento da tia Eró. Mas os cinco bisnetos de seu Rubem Reis se encontraram ontem no aniversário de quatro anos de Lívia. Lá estavam também Maria, Luísa e Davi, o caçula dos bisnetos.