Arquivo da tag: Cartas Bahianas

Olha o carteiro

Estive com Maria na sexta para conversar sobre a idéia de repetir o hotblog no  lançamento do Continhos para cão dormir II, já marcado para 9 de março, uma terça-feira, na Tom do Saber.

Desta vez Maria vem acompanhada por uma amiga de infância, Paloma Amado, que faz sua estréia na literatura infantil com o livro Tio Tomás.

Nilson também está na empreitada da divulgação destas primeiras Cartas Bahianas de 2010. Faremos novamente antecipação das reservas pelo blog, idéia que deu bastante certo no lançamento de Continhos para cão dormir I e Caixa Preta.

Mas ao sintonizar o assunto, eu me dei conta das mudanças, do quanto o cenário está alterado aqui neste conjunto de blogs afins desde  setembro do ano passado.

O Vestígios da Senhorita B e o Madame K deram um tempo, M. saiu do ar e a maioria publica  num ritmo mais lento, mais espaçado.

Vamos ver no que vai dar.

Atualizado em 22/10: 

O hotblog do lançamento está criado.  Façam suas reservas:
http://mariaepaloma.wordpress.com/

Anúncios

Solução seu Valera, meu mestrado na Facom e a cachaça

{C9F00A37-6380-46BF-AA08-12BBFE795754}_janis%202[1]

Não é que funcionou?  No último final de semana fui com André e Maria ao Parque da Cidade de Feira de Santana e tive de amargar a culpa por levar o pequeno pra casa com a perna arranhada. O parquinho público absolutamente abandonado – pelos administradores, não pelas crianças – exibia uma armadilha fatal em cada brinquedo. Pontas de madeira lascada e metal enferrujado eram o mínimo do risco.

A culpa me levou a buscar providências e usei como emissário o Blog da Feira. Bingo! Na próxima viagem,  São Tomé vai conferir se o trabalho foi feito apenas pela assessoria de imprensa da prefeitura.  E como tomei gosto, vou mandar outra reclamação sobre o abandono das praças.

Falar em solução seu Valera / Bocão, aproveito pra  contar outra recente.  A irmã da moça que trabalhava  conosco teve diagnóstico confirmado de câncer de mama.  O médico pediu então uma cintilografia, exame imprescindível para definir o tratamento.

Exame marcado pelo SUS, aquele sistema cuja qualidade é universal, segundo nosso  presidente. Um mês depois, isso mesmo, um mês depois, a clínica informou que ainda não havia previsão.

Ligamos  então para o repórter de plantão de A Tarde. Por coincidência, o cara tinha conhecimento de causa acima da média das redações. A mãe dele teve câncer.

Menos de meia hora,isso mesmo, menos de meia hora  depois recebemos uma ligação da clínica com a informação de que havia uma desistência e o exame poderia ser marcado para o dia seguinte, no primeiro horário.

Se eu fosse estudante e tivesse paciência para o dialeto dos caras, perdão, para o discurso acadêmico, já teria meu projeto de mestrado na pós  da Facom:

O paradigma  Varela /Bocão sob uma perspectiva da análise do discurso midiático num estudo de caso com  análise textual sobre os modelos e mecanismos que revelam a  necessidade do sujeito versus a temporalidade no atendimento das reivindicações básicas do cidadão na construção do sentido de atualidade da prestação dos serviços públicos.  

Tradução: pra resolver esta porra, tem que ligar pra Seu Valera.

P.S: 

E o que tem  a ver a garota com garrafa de cachaça, na praia do Rio Vermelho? É só para lembrar que na próxima terça, ali perto, quase 40 anos depois, a garota  – a mesma da foto abaixo – vai estar presente nos versos de Kátia Borges. Leia mais sobre o livro  aqui.