Arquivo da tag: Circo

Amigo de carteirinha e troféu

unnamed
Agora tenho um troféu na minha estante.

Em mais de meio século de existência nenhum prêmio, nenhum troféu, nem bilhete na loteria, nem rifa das moças, nem nada. Vivia igual ao Vitória, sem nenhum título. Aliás, conseguia ser pior, nem vice era. O melhor que consegui na vida foi um jogo de panelas no terceiro lugar num programa de calouros num domingo, no cinema em Castro Alves, quando aos 12 anos respondi sobre “A Origem do Homem”. Até hoje quando ouço australopitecus ou homem de Java me lembro deste dia.

Mas voltando à noite de ontem, eis que finalmente minha vida de loser, como dizem os americanos nos filmes, finalmente teve um final feliz.

Fui laureado com o troféu Amigos da Picolino, a mais alta honraria deste circo instituição, lugar onde aprendo muito sobre erros, acertos, tombos, malabarismos, e, principalmente, a dar meus pulos nesta vida louca vida breve, vida imensa.

Todo TDAH tem um momento chamado de hiperfoco, quando canaliza todas suas energias para um fim. No meu interior chamam isso de incutimento, pior que doidice. Mas neste momento este incutimento tem gerado benefício para este projeto de pedagogia de vida que é o circo. Que seja assim.

Enfim, de verdade surpreendido, fiquei muito feliz, perdi a vergonha e subi para receber o prêmio ao lado de Clóvis, o capataz do circo, de quem já ouvi histórias incríveis do circo Vostok, onde ele trabalhou. E do dia em que fugiu com um circo. Um dia ainda conto isso aqui. Também recebeu a honraria a produtora Karine Paz, integrante da trupe que conduz toda essa loucura de administrar trocentas demandas tudo ao mesmo tempo agora da campanha ‪#‎SomosTodosGuerreiros‬.

Recebemos os títulos das mãos de duas generais vencedoras do Picolino: Carol Guedes e Luana Serrat.

Mas a guerra apenas começou, o tempo ruge e a sapucaia, como é mesmo Zé Wilker? A real é que a campanha ainda está abaixo da média de arrecadação diária para atingir a meta.

Portanto, vá lá e colabore, agora: http://www.kickante.com.br/campanhas/somos-todos-guerreiros-picolino-30-anos

entrea do trofe

Olha a gente na tela da Record. Por erro de corte aparecemos nos últimos dois segundos desta matéria veiculada hoje pela manhã. Karina, esta mão que recebe o troféu da Palhaça Kerolzene,  não quis subir ao palco e recebeu o prêmio desde o picadeiro.

Anúncios

Identidade: Guerreiro

Música, imagens, corpos, ação.

27 anos da Escola Picolino de Artes do Circo, da Associação Picolino, da Cia Picolino estão ali condensados.

Toda a história ali, no picadeiro, misturada às imagens do cinema de Glauber Rocha, sob a lona de Pituaçu, sob muitos aplausos de público boquiaberto e encantado como deve ser todo público de circo.Guerreiro é um espetáculo de identidade, resume Luísa enquanto voltamos pela Orla.

Seguimos de volta para casa satisfeitos com o que vimos, enumerando as qualidades de Guerreiro, a qualidade da música, dos músicos, dos movimentos, da sincronia, da força dos corpos, da força das imagens.

Sim, temos um espetáculo de circo ímpar, nosso, de identidade.

O que mais chama a atenção em Guerreiro é a multiplicidade de desafios de cada um dos artistas em cena.

Num circo qualquer cada número tem seus especialistas, cada número tem o seu ou os seus artistas dedicados àquela técnica. Na Cia Picolino você tem todos, ou quase todos, em quase tudo. No monociclo, na acrobacia, no tecido, no contorcionismo, na corda, nos malabares, no quadrante, voando no trapézio.

Todos, ou quase todos, a fazer quase tudo é a cara da Picolino. Uma cara de Bahia, de Brasil, uma cara da gente.

Viva Guerreiro, Viva a Picolino!

Foto: Maíra Do Amarall (detalhe)
Veja mais: http://on.fb.me/UjXna3

Atmosfera

Estou no Picolino neste fim de tarde  reunindo material para o site do circo. E se a internet estivesse mais adiantada eu colocaria duas coisas no futuro endereço da escola: a atmosfera do picadeiro e de todos os espaços em volta ocupados pelos alunos e também o sentimento que me vem  quando leio a história do circo, revejo seus momentos desde o início,  sob a lona do Troca de Segredos, em Ondina. Naquela época entrevistei Anselmo para a Tribuna da Bahia, numa destas muitas matérias que apurei e não fiz, não me lembro o motivo.

Mas a internet e os sites ainda engatinham e só(?) abrigam recursos audiovisuais. Não é pouco, mas insuficiente para o que eu queria neste momento.

Então o que seria a atmosfera do picadeiro repleto de alunos? isto não seria um sentimento meu, gerado pelas minhas experiências? São dezenas de crianças, uma parte no arame, outra nos monociclos, outra na corda, outra no trapézio, outra com malabares. Crianças nos seus primeiros movimentos, aprendendo o básico das técnicas, ocupadas, focadas, interessadas. VIvas.

A Picolino tem muitas histórias de crianças como essas. Crianças que ganharam o mundo, estão em outros picadeiros, outros países. Outras perderam a guerra, foram abatidas, saíram de cena.

Tenho um compromisso existencial com isso aqui, embora ultimamente ando meio distante, e bote meio nisso, descompromissado. Mas voltei, e aqui estou dando voltas, reunindo arquivos, juntando histórias.

Atmosfera e sentimento ainda não são publicadas com um clique num ícone. Pena.

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=3236598910606&set=a.1137311949744.2020128.1135737937&type=1

Foto: Acrobacia aérea.  Plateia no Picolino em 24 de abril de 2010.