Arquivo da tag: forrest john

Você votaria num viado?

Num viado eu votaria sem problema nenhum. Agora, numa anta, como Forrest John, jamais!

Falar em viado, Marcinha ficou nos devendo um ótimo post. Sobre um taxista cheio de bossa que ela conheceu um dia, daqueles que puxam assunto: “Sabe, estes viados ficam fazendo campanha contra preconceito,fazendo passeata, mas eles são muito pior. Quer ver? seja viado e se vista mal, fora da moda ou fique barrigudo pra você ver o que é preconceito.

Mas o melhor sobre este assunto de viado candidato está no texto de Contardo Calligaris, hoje na Folha e em A Tarde. Roubei para você:

 

“As campanhas eleitorais são facilmente sórdidas.

Claro, os candidatos mentem inchando seus feitos, omitindo suas inércias, atribuindo-se realizações que são de outros ou dos predecessores. Mas isso dá para agüentar, é quase normal.

Muito mais humilhante (para a gente) é quando as campanhas fazem apelo ao que há de pior em nós, ou seja, quando, na tentativa de desacreditar o candidato adversário, elas apostam em nossos preconceitos. Nesse caso, as campanhas supõem (com razão) que estejamos sempre prontos a transformar tal candidato em cabide de sentimentos e desejos que são nossos, mas dos quais nos envergonhamos.

Funciona assim. Digamos que eu sou ávido e venal e não gosto disso; prefiro me imaginar desinteressado e generoso. Como tirar vantagem dessa minha contradição?

O jeito ideal de me manipular não é denunciar um candidato porque ele se mostrou, em tal ocasião, interesseiro e cobiçoso. O método direto é o menos eficiente: ele permite, afinal, que a gente se interesse pelos fatos, verifique, concorde ou discorde.

A melhor maneira de manipular passa por dois tempos: 1) evocar um fato do qual são silenciadas a causa e as circunstâncias, 2) levantar uma pergunta quanto mais genérica possível, de modo que o ouvinte projete suas próprias tendências envergonhadas no candidato atacado e ele, o ouvinte, seja, assim, o único responsável pela calúnia.

Um exemplo? 1) Os judeus são quase todos comerciantes, 2) pergunta genérica: o que eles “realmente” querem da gente? A propaganda anti-semita nazista acrescentava, para quem fosse burro mesmo, desenhos de garras aduncas surgindo da sarjeta, mas não era necessário. Detalhe silenciado: os judeus eram comerciantes porque, por exemplo, não lhes era permitido comprar terra ou exercer profissão liberal que atendesse à população em geral.

Na fase dois da manipulação (a pergunta), é crucial que algo nos sugira que houve a intenção de esconder uma falha, que deve ser revelada. Em “O que eles “realmente” querem da gente?”, o advérbio instala em nós a suspeita de que estávamos sendo enganados. Agora, o véu será levantado. O problema é que, como nada foi dito explicitamente, será levantado não por uma denúncia, mas pela atribuição ao acusado de qualquer uma das tendências que mais receamos em nós mesmos.

Esse método básico de manipulação aparece de maneira idêntica na última fase da campanha presidencial dos EUA e no início do segundo turno das eleições para a Prefeitura de São Paulo.

A campanha de John McCain 1) encarregou a candidata a vice de evocar fatos “sugestivos” sem explicitar as circunstâncias (por exemplo, Barack Obama encontrou o ex-ativista e terrorista William Ayers -de fato, Ayers era tudo isso nos anos 1960, mas hoje é professor de pedagogia na Universidade de Chicago e se ocupa de programas sociais educativos); 2) logo, perguntou: “Quem é o “verdadeiro” Obama?”.

A campanha de Marta Suplicy apenas inverteu a ordem; criou um comercial que começa com “Você sabe “mesmo” quem é o Kassab?” e termina com a pergunta: “Sabe se ele é casado? Tem filhos?”.

É óbvio que as prisões do país estão cheias de indivíduos casados e com filhos (o estado civil não é garantia de nada). A pergunta só serve para que o eleitor médio pense em Kassab como diferente dele: “Não é casado? Então, tem uma vida diferente da minha”. Essa pensada dá força à interrogação inicial: “Você sabe “mesmo” quem é o Kassab?”. Não, não sei, visto que ele é diferente de mim. O que ele está me escondendo?

A Folha de 13 de outubro relata o seguinte: a reportagem “perguntou a Marta se a propaganda não era contraditória com a sua biografia” (Marta Suplicy foi uma campeã do direito à privacidade). E Marta respondeu: “O que você está insinuando?”. Mais uma manipulação: “Ninguém disse nada, o comercial só pergunta, é você que procura pêlo no ovo”.

As perguntas das campanhas de Marta e de McCain talvez funcionem com eleitores desavisados: eles imaginarão que Kassab e Obama sejam os perigosos porta-vozes de tendências obscuras que eles (os ditos eleitores) receiam, antes de mais nada, dentro deles mesmos.

Mas, para a maioria, menos desavisada do que parece, essas perguntas assinalam que as campanhas de Marta e de McCain estão dispostas a uma boa dose de indignidade moral para se manterem em vida.”

Anúncios